Dia nacional da reciclagem



Hoje é o dia da reciclagem e temos muito a refletir. Quanto lixo você produz por dia? E por mês? Consegue visualizar este volume? E para onde seu lixo é encaminhado?

Seu lixo, nosso lixo… Nosso.

De acordo com a SLU o Brasil produzia 1 quilo de lixo por habitante a cada dia, o que corresponde a mais ou menos 78,4 milhões de toneladas por ano! E isso antes da pandemia…

Estima-se, que o isolamento social, trouxe um aumento de 15 a 25% na produção de resíduo doméstico e de um crescimento de 10 a 20 vezes do lixo hospitalar!

Nós já falamos sobre os destinos do lixo residencial em nosso texto ‘O lixo nosso de cada dia’ e hoje vamos focar na reciclagem.

A reciclagem é um processo de re-transformação de material descartado no mesmo material novo ou outro material. É a melhor opção para o descarte, de todo o lixo produzido no Brasil estima-se que 30% tenha potencial de ser reciclado, mas apenas 3% é de fato reciclado. Um dos motivos é que apenas 17% da população do Brasil tem acesso a coleta seletiva e destes apenas 50% do que poderia ser reciclado é de fato enviado de forma correta.

Você sabe como o lixo reciclável deve ser enviado?

Separamos algumas dicas que podem te ajudar:

  • Separe o lixo orgânico, o lixo reciclável e o não reciclável. Abaixo fizemos uma lista com alguns materiais que não são recicláveis.

  • O lixo orgânico pode ser utilizado para se fazer adubos para nossas plantas (veja aqui:https://www.magnamater.com.br/post/adubos-naturais)

  • O material que será encaminhado para reciclagem deve estar limpo e seco. Não precisa ser uma limpeza minuciosa, apenas para retirar Pode ser uma limpeza que retire o excesso de sujeira e evitar atrair bichos como baratas e ratos e o apodrecimento.

  • Muita coisa que vai para a reciclagem pode ser aproveitada em casa como potes e garrafas de vidro.

  • Evite colocar o lixo na rua fora do dia de coleta, pois o caminhão de lixo normal pode acabar levando leva materiais que poderiam ir para a reciclagem. Também evita que os sacos sejam rasgados.

  • O lixo reciclável pode ser colocado em caixas de papelão ao invés de sacos de lixo. No entanto o lixo normal deve estar em sacos plásticos, em muitos lugares o caminhão não recolhe caixas. Além disso, o lixo doméstico muitas vezes é úmido, o que provocaria o rompimento da caixa.

  • Caso a coleta em seu bairro seja em poucos dias da semana e você não possa ou não queira aproveitar o lixo orgânico em casa, guarde os resíduos em um pote tampado na geladeira até o dia da coleta. Isso evita a decomposição e a geração de líquidos e/ou gases indesejáveis no lixo.

Mas temos que pensar: o que jogamos no lixo é realmente lixo?

Para responder a esta pergunta temos que nos fazer outra: o que é lixo?

Formalmente consideramos lixo qualquer material sem valor ou utilidade, ou detrito oriundo de trabalhos domésticos, industriais etc. que se joga fora. Ou seja, lixo é tudo que consideramos lixo. O ser humano é o único ser vivo que o produz, pois o lixo é um conceito e depende da interpretação de cada um, se não uso mais e jogo fora, é lixo!

A partir deste pensamento podemos pensar em maneiras de diminuir drasticamente nossa produção de lixo! E isso é possível? Sim, é possível! Existe hoje um movimento chamado de Lixo Zero, onde se propõe uma vida sem a geração de resíduos, com o encaminhamento correto do reciclável e a produção de adubo com o resíduo úmido. Muitas pessoas já se declaram totalmente lixo zero não produzindo resíduo há mais de um ano.

E mesmo que você não consiga chegar neste nível, com certeza com medidas simples é possível reduzir muito a produção de lixo. (Para saber mais sobre o assunto clique aqui:https://www.magnamater.com.br/post/lixo-nosso-de-cada-dia)



Materiais não recicláveis:

Papéis molhados ou sujos de resíduos orgânicos;

fita adesiva, fotos, papel carbono;

Lâmpadas, espelhos, cristais, vidros temperados, porcelana e cerâmica;

esponjas de aço e grampos;

pilhas, baterias e materiais eletrônicos devem ser encaminhados para empresas especializadas neste tipo de resíduo.


© Copyright